Bem ti vi

Para você, Letícia, meu Bem-te-vi".
Viste, hoje, o passarinho na janela?
Tão frágil, tão pequeno, tão delicada fera.
Parece procurar-te, de primavera, em primavera. Até pousar cansado, noutra janela.
Ouviste-lhe, acaso, o canto de saudade? Também eu te procuro minha bela.
Encontro-te no meu peito, fiz-te um ninho, aconcheguei-te no meu altar.
É que aquele passarinho na janela lembrou-me o dia que há muito já perdi.
Bem me quiseste, e tanto bem te quis...
Quiseste mais, eu sei, compreendi. Tu frágil, doce, bela...
Lembro-me de ti. Esquecer-te, meu amor, seria como me esquecer de mim.
É que aquele último dia cerrou-te os olhos delicadamente, e entre beijos eu te vi partir...
Voaste!... Voaste firme e decididamente.
De volta para dentro de mim,
E eu... Fiquei aqui, a lembrar-te de ti, a sonhar contigo, esperando o dia em que poderei te ter aqui, em meus braços para abraçar-te, beijar-te, beijar-te, beijar-te..
Te espero até depois do fim.

Amigos

domingo, 15 de abril de 2012

6 meses longe de você Filha linda...

6 meses se passou e a dor, a confusão mental, a saudade continuam aqui, firme e forte comigo...
A momentos que esses 6 meses parece uma eternidade, pois tenho aprendido a administrar um turbilhão de sentimentos, pensamentos, atitudes, porem a momentos em que eu me olho no espelho e penso foi hoje que tudo aconteceu, a dor do choque é a mesma... A verdade é que mudou pouca coisa durante esse tempo, passei por algumas fases, a 1ª de revolta total contra Deus, mundo, religião, médicos, enfermeiros, hospital, em fim...


Raiva
do
mundo,
depois que sai dessa fase de muita revolta, 
entrei numa 2ª de porque, porque, porque... Porque minha filha um bebê inocente, porque o Ricardo, um maravilhoso pai que foi, tem que passar por isso, porque as meninas precisaram conhecer a morte dessa maneira tão cruel, porque eu como Mãe perdi o direito de te-la em meus braços, que mal eu fiz a Deus para merecer isso??? 
É essa fase também já ficou para traz, o que não é o suficiente para que de vez em quando eu tenha alguma recaída, afinal sou humana...

Após superarmos essa fase entrei no processo mais complicado que é o da aceitação, como aceitar que minha bebê de 6 meses foi morar longe de mim, Como viver amputada dessa maneira???
Como se conformar em te-la num local onde eu como Mãe não posso pegá-la de vez em quando? não possa eu mesma ensiná-la a falar, andar, brincar, comer com suas mãozinhas, em fim educá-la com todo o amor que existe em dentro de mim...
Hoje após 6 meses consigo entender algumas coisas, que no começo não entendia de maneira alguma, como por ex. o que aconteceu clinicamente com minha filha, após muito ouvir dos médicos, muito ler sobre o assunto, entendi que a Letícia nasceu com essa cardiopatia, impossível saber o que causou, sabe-se apenas que foi durante a formação, em algum momento da formação faltou essa informação e por isso a válvula mitral dela foi má formada, não existe uma explicação dessas má formações, não se trata de problemas ou medicamentos tomado durante a gravidez (até porque minha gravidez foi tranquila e eu não fiz uso de medicamento algum, a não ser as vitaminas de praxe), os médicos dizem que essa má formação simplesmente acontece, é como quando a criança nasce com alguma síndrome e não há casos na família, fica constatado então que foi uma má formação no momento da formação... Confuso, mas a justificativa cientifica é essas em muitos casos e no caso da Letícia foi explicado a mim dessa maneira... Eu não tenho condições emocionais ou psicológicas para não acreditar nisso, ou para iniciar um processo de investigação afim de descobrir algo diferente a isso, hoje eu posso entender que entendo dessa maneira...
A Letícia nasceu bem, grande, gorda, saudável, era uma bebê tranquila, dormia a noite toda e comia tudo o que oferecido a ela a não ser leite industrializado, não gostava de jeito nenhum, não pegou mamadeira, um dia descobrimos que ela era intolerante a lactose... Mas Papinha de legumes e frutas ela amava, raspava o potinho e desse mais, comeria... (coisa linda da mamãe)... Ela vinha se desenvolvendo normalmente até que descobrimos seu problema no coração... Hoje com muito esforço consigo entender o porque a descoberta foi tardia, o medico me explicou que o organismo dela se adaptou ao problema e só alarmou quando já não pode mais segurar... 
Entendo, mas não aceito, dói demais ter que levar uma vida faltando um pedaço da gente, dói demais viver sem alma...
Hoje 6 meses após consigo até entender o porque ela faleceu após 11 dias da cirurgia, clinicamente foi uma cirurgia no coração, uma cirurgia grande, ela bebê frágil, delicada não conseguiu resistir o pós operatório... Clinicamente é simples entender, são muitos bebês naquela UTI do INCOR, todos os dias morre 1, dia 15/10 foi o dia da Letícia... A própria medica que cuidava da Letícia nos disse, éeee Paizinho cirurgia de coração em bebê é muito complicado, tem poucas chances... (cachorra, não foi isso que nos disse antes de interná-la, pelo contrario, dizia de todas as cirurgias realizadas la a dela era mais simples)...
Difícil, hoje 6 meses após consigo entender clinicamente, mas não aceitar, Acho que nunca aceitarei, jamais me conformarei... Embora era vista como mais um numero no hospital a nós mamãe, papai e irmãs ela foi e continua sendo muito mais, é nosso amor infinito, nossa pequena, nossa caçula, nossa alegria plena, nosso tesouro, é nosso tudo!!!
Hoje 6 meses após me sinto mais forte, carrego no peito uma força que vem dela, um amor que superou todos os meus sentimentos confusos, um amor maior que tudo, até mesmo maior que a saudade...
Hoje 6 meses após me sinto menos louca, menos morta, menos confusa, menos doente...A sinto perto de mim...
Muita coisa mudou dentro de mim, me transformei em varias mulheres durante esses 6 meses, passei a estudar coisas ao qual nunca havia passado em minha cabeça, mudei conceitos, passei a acreditar em coisas que antes não gostava nem de ouvir falar... Descobri que sim, minha filha vive, cresce e esta comigo o tempo todo, descobri a força de um amor sem limites quando ao me deitar eu peço, vem filha encontrar com a mamãe, e ao fechar os olhos sonho com ela... Lindaaaa... Incrivelmente eu tenho vivido com a Letícia as mesmas emoções que viveria se ela estivesse em corpo aqui, pois não a vejo mais como o bebezinho de 6 meses que foi morar no céu, e sim como uma garotinha de 1 ano e 10 dias... Enquanto durmo tenho encontros com ela, nesses encontros a vejo crescer, vi ela aprendendo a falar e a primeira frase acreditem, foi PAPAI...rs Depois a vi dando os primeiros passos toda cambaleando por estar aprendendo, depois já a vi mais firme, correndo de um lado para o outro, e ontem sonhei que estávamos cantando musiquinha e fazendo gestos com as mãos, eu fazia e ela repetia igualzinho, direitinho... (linda, linda, linda) sempre sorrindo, contente, iluminada...
Acreditem essa é a força do amor...
Vamos seguindo,
com dificuldade,
dor no peito,
dor na alma,
saudade extrema,
vazio absoluto e amor,
um amor incontrolável, como diz minha amiga, um amor que transborda...
 Estou caminhando, minha filha esta me ajudando...

Esse amor que sinto a minha filhinha tem me ajudado a sobreviver, tem me salvado dia após dia... "Taaaa" confesso tem dia que é mais difícil, acordar, se da conta de tudo isso é real e não um pesadelo ainda é muito difícil para mim, mas consigo entender que só existe algo mais marcante do que perder um filho, é descobri que ele continua vivo... Essa sem duvida foi a descoberta de toda a minha vida, o maior presente que eu poderia ganhar... Pode parecer pouco, mas acreditem, sonhar com minha filha é voltar a viver, é me sentir feliz, pois com ela tudo fica completo!!!

Muitas coisas mudaram nesses 6 meses, descobertas, aprendizados, encontros, e como eu posso definir essa data de exatamente 6 meses que minha filha foi morar no céu???
Defino essa data dizendo, minha filha existe, vive, nosso amor é tanto que podemos sentir uma a outra, ela vem me visitar em sonho e com isso ela me diz, oi Mamãe, estou aqui, estou bem, olha como estou crescendo...

Letícia filha amada na verdade te preferiria aqui comigo em tempo integral, mas se não é possível e temos essa chance de vivermos momentos, viveremos então grandes momentos, os melhores da minha vida... Meu amor supremo!!!

Defino esse 15/04/2012 (6 meses com a Letícia morando no céu)como só amor salva!!!

4 comentários:

Ana Lucia Decorações disse...

Como fico feliz e saber todas as vezes que ela vem te visitar, isso me faz ter certeza que não é errado mudar de conceitos buscar novas verdades, coisa que só o amor faz....
desejo minha querida irmã muita Letícia na sua vida, pois sei que ela e a sua felicidade, que todos os dias ela venha a seu encontro e que te encha de amor e carinho pois uma mãe maravilhosa merece tudo isso, bjus te amo!!!

Marla Desanoski disse...

Amiga, fiquei feliz em ler sua postagem, olha te confesso uma coisa faz 1 ano e 2 meses que Deus levou meu anjo Miguel e 6 meses que Deus levou a Lelê, certo!!! Amiga acredita que vc me alcançou nas fases do luto, pra te dizer bem a verdade, não consegui aceitar direito ainda quando lembro de certas coisas me doi muito, sofro ainda, tem dias melhores, e quando acordo com aperto no coração pode ter certeza que ficarei o dia todo mal, mas a assim mesmo, é dificil aceitar coisas assim. Mas estamos chegando lá, vai chegar um dia que vai restar somente o amor e a saudade, amor é um senimento que nunca machuca agora a saudade essa sim judia, né...
Fica com Deus amiga linda...bjusssss AMO VC...

Ju Yanai disse...

Fico feliz por estar deixando o amor vencer!!!E sei que não é nada fácil e vejo o quanto está sendo forte,lutando contra a dor e transformando tudo isso em amor.
Acredito que ela esteja sempre por perto e se orgulha muito de você e desse imenso amor que sempre sentirão por ela...

Bjos...

Anônimo disse...

Olá Querida! Estou emocionada com tuas mensagens. Também perdi minha filhinha Júlia com 21 dias de vida. Ela também nasceu com má formação no coração (transposição de grandes vasos) fez cirurgia mas não resistiu. Dói muito né? Sabe, vi nas fotos tua filha com um cobertorzinho, incrivel se parece tanto com um que a minha filha usava, infelismente deixei no hospital em Porto Alegre-RS, ela foi pro bloco cirurgico enrroladinha nele, e eu naquele dia não lembrei, quem lembraria né? Sei Exatamente o que você está sentindo. A Júlia nasceu dia 15/12/2010 e Deus á levou para junto dele no dia 04/01/2011. Se quiser conversar comigo fica a vontade, meu email é elisianesalvador@hotmail.com Nunca esqueceremos nosso anjinhos, nem eles seram substituidos, mas com fé conseguiremos realizar nosso sonho de ser mãe novamente. A Letícia é tua 1ª filha?... Um Grande abraço!