Bem ti vi

Para você, Letícia, meu Bem-te-vi".
Viste, hoje, o passarinho na janela?
Tão frágil, tão pequeno, tão delicada fera.
Parece procurar-te, de primavera, em primavera. Até pousar cansado, noutra janela.
Ouviste-lhe, acaso, o canto de saudade? Também eu te procuro minha bela.
Encontro-te no meu peito, fiz-te um ninho, aconcheguei-te no meu altar.
É que aquele passarinho na janela lembrou-me o dia que há muito já perdi.
Bem me quiseste, e tanto bem te quis...
Quiseste mais, eu sei, compreendi. Tu frágil, doce, bela...
Lembro-me de ti. Esquecer-te, meu amor, seria como me esquecer de mim.
É que aquele último dia cerrou-te os olhos delicadamente, e entre beijos eu te vi partir...
Voaste!... Voaste firme e decididamente.
De volta para dentro de mim,
E eu... Fiquei aqui, a lembrar-te de ti, a sonhar contigo, esperando o dia em que poderei te ter aqui, em meus braços para abraçar-te, beijar-te, beijar-te, beijar-te..
Te espero até depois do fim.

Amigos

segunda-feira, 7 de agosto de 2017

Amanheço

Eu te amo, e de tanto amar, amanheço na sua ausência. Amanheço devagar, nessa certeza que não adianta pressa nos vazios. Faço as pazes com Deus molhando as plantas do meu quintal, sentindo o cheiro do café que faço, rindo quando te acho no meio das coisas da nossa casa.
Remexo nessas coisas, como se quisesse dar um jeito nas minhas incertezas. Te encontro nas miudezas dos meus dias. Faço pausas e me demoro nas fotografias, lugares que falam de tudo o que fomos, fico ali, passeio nas suas andanças por esse mundo, nas suas descobertas, comemorações de dias que escorregaram do meu contato, mas não do meu olhar.
Amanheço nos dias em que encontro ouvidos generosos, falo de você, uma fala que mistura riso e choro. Reviro esse desassossego, dou um sentido pra minha dor, sem pressa. Ali, horas tecendo histórias, parece que a luz entra no meu coração, te dou vida nessa despedida lenta, que mistura outro jeito de chegar.
Outros dias, amanheço arrumando seu quarto, nossa casa. Coloco aquelas músicas que você amava, aprendo a cantar, trago você pro meu mundo de um jeito delicado. Choro e canto, descobrindo seu coração nas canções que você cantava.
Meu amor, amanheço quando não findo esse amor, deixar você partir deixaria tudo muito escuro e eu preciso de sol, preciso de galo cantando na minha alma, de cheiro de café e de flores com sede. Amanheço, nos dias em que não nego sua partida, mas inauguro sua chegada nessas delicadezas, nas ruas da minha alma e dos meus dias, nesse amor infindável...

(Teresa Gouveia)

domingo, 6 de agosto de 2017

Sobre saudade e paz

Meu amor, sua ausência traz essa sensação que podia ter tido mais, muito mais...um gosto de lugares interrompidos, como aquelas flores que estão crescendo e, num dia qualquer, chega uma tempestade e desconsidera a vida que ainda estava por ali.
Amanheço devagar, longe do mundo, nesse universo particular, inundado de amor e saudade. Transbordam perguntas sem respostas. Sinto falta de você e andando por esses lugares, de vez em quando, tento explicar o que não se explica. Nessas horas converso com a vida, silenciosamente te falo das tristezas que me espiam...
Me aquieto, corpo e alma, um jeito de dizer que sigo acreditando na sua paz. Meu amor, me ilumina, me conta da vida que segue, do dia que amanhece, dos passos que andam, das mãos que abraçam, meu amor me dá clareza dessa honra que é viver, olhar em volta e saber que sempre haverá amor ligando quem a gente ama, aqui ou onde meus olhos não alcança...

(Teresa Gouvea)

sábado, 5 de agosto de 2017

TE AMAR COMO PUDER

Você não me deixou alternativa,
a não ser ver o coração transbordar.
E agora, enquanto eu estiver viva,
carregarei a vontade de te abraçar
Sempre penso no que posso fazer
para a distância não me impedir
de aproveitar o privilégio que é ver
seus olhos fazerem o sol se abrir!
É um desafio você longe de mim,
mas em pensamento estamos unidos.
Você não me toca e mesmo assim
me ilumina em todos os sentidos.
Gosto dessa emoção que me envolve,
seja lá a dificuldade que houver.
Com sua lembrança tudo se dissolve.
Só quero te amar como eu puder.

Flavia Camargo

sexta-feira, 4 de agosto de 2017

FELICIDADE QUE JUSTIFICA A EXISTÊNCIA

Cada vez que amanhece, os passarinhos,
sob o brilho do sol, saem de seus ninhos,
à procura de alimento, calor e inspiração
para cantar e voar, explorando a imensidão.
Os rios descem as montanhas, rumo ao mar.
As árvores anseiam pela luz, para respirar.
Tudo na natureza busca aquilo que é seu fim.
Por isso, pensar em você é tão vital pra mim.
Não sou diferente de nenhum outro ser.
Se te levo sempre comigo, é para atender
a mais bela, essencial e doce exigência:
sentir a felicidade que justifica a existência.
Sua presença em minha alma me enriquece.
Você é a graça que meu coração não esquece.
Eu caminhar pelo mundo, sem esse amor,
seria como uma abelha viver longe da flor.


Flavia Camargo

quarta-feira, 2 de agosto de 2017

NÃO HÁ FINAL

Você passou por mim como um lampejo
Uma luz que continua a me acompanhar
O tempo voa e mesmo assim eu vejo
O seu brilho que jamais vai se apagar
Depois que você esteve aqui tudo mudou
Não sou mais quem eu costumava ser
Mesmo breve sua passagem me marcou
É simplesmente impossível te esquecer
Você chegou e foi logo me dando tchau
Revelando o valor que cada segundo tem
Com sua partida aprendi que não há final
Para o sentimento que temos por alguém
O amor é mais forte do que se imagina
Tem o poder de eliminar uma ausência
Quando a gente ama o vínculo não termina
É ele que eterniza em mim a sua existência

(Texto retirado da internet)

terça-feira, 1 de agosto de 2017

Quando um filho parte...

O amor, intenso, delicadamente pediu licença para se misturar à dor. No meio da dor, lembrou-se dos sonhos esquecidos, lembrou-se do filho, do namoro que ele mantinha com a vida, sorrindo. Sentiu paz, apesar da dor, sentiu alegria. Sentiu tanto amor que agradeceu pela estadia, agradeceu a memória: da voz, do jeito de andar, das histórias vividas, das músicas que ele ouvia, dos tênis e roupas espalhados pela casa, dos amigos que haviam passado por ali, das fotografias. No meio da dor, lembrou-se do sorriso do filho. Todas essas memórias viraram alimentos, daqueles que enchem o coração e a alma. Alimentada com as lembranças mais doces desse filho, juntou os sonhos esquecidos e pegou uma carona com a vida, chorando, mas sorrindo.

(Teresa Gouvea)